Phda

phda

O que é a PHDA e como é tratada?

O que é a PHDA? A PHDA é uma desordem mental, caracterizada por uma tríade sintomática persistente de falta de atenção, hiperatividade e impulsividade. Tem início na infância, mas em mais de metade dos casos prolonga-se pela adolescência e vida adulta.

Quais são os impactos da PHDA?

A PHDA está associada a um impacto importante no funcionamento da pessoa, quer a nível das interações sociais, quer a nível do seio familiar. Associa-se ainda a dificuldades e maior abandono escolar, baixa autoestima, défices no desenvolvimento emocional, entre outros. 2

Quais são os fármacos mais utilizados para tratar o PHDA?

Os fármacos mais utilizados são os estimulantes – as anfetaminas (que ainda não estão aprovadas em Portugal) e o metilfenidato. Apesar do nome, é importante esclarecer que a medicação estimulante proporciona um efeito calmante nas pessoas com PHDA, ao contrário do que a própria palavra faz pensar.

Por que apenas crianças e adolescentes podem sofrer de PHDA?

Nas décadas mais recentes, a ideia de que apenas crianças e adolescentes podem sofrer de PHDA foi abandonada. Sabe-se que pode existir um atraso no desenvolvimento do cérebro de jovens com PHDA, mas com o crescimento esses défices tornam-se pequenos ou desaparecem por completo.

Quais são os tipos de PHDA?

Clinicamente, a PHDA classifica-se em três subtipos: predominantemente desatento, predominantemente hiperativo/impulsivo e subtipo combinado, dependendo da apresentação sintomática.

Qual o melhor tratamento para a PHDA?

O tratamento farmacológico é considerada a forma de tratamento mais eficaz e, por isso, a primeira escolha no tratamento da PHDA. Os fármacos mais utilizados são os estimulantes – as anfetaminas (que ainda não estão aprovadas em Portugal) e o metilfenidato.

Por que apenas crianças e adolescentes podem sofrer de PHDA?

Nas décadas mais recentes, a ideia de que apenas crianças e adolescentes podem sofrer de PHDA foi abandonada. Sabe-se que pode existir um atraso no desenvolvimento do cérebro de jovens com PHDA, mas com o crescimento esses défices tornam-se pequenos ou desaparecem por completo.

Qual o melhor tratamento para a PHDA?

O tratamento farmacológico é considerada a forma de tratamento mais eficaz e, por isso, a primeira escolha no tratamento da PHDA. Os fármacos mais utilizados são os estimulantes – as anfetaminas (que ainda não estão aprovadas em Portugal) e o metilfenidato.

Por que apenas crianças e adolescentes podem sofrer de PHDA?

Nas décadas mais recentes, a ideia de que apenas crianças e adolescentes podem sofrer de PHDA foi abandonada. Sabe-se que pode existir um atraso no desenvolvimento do cérebro de jovens com PHDA, mas com o crescimento esses défices tornam-se pequenos ou desaparecem por completo.

Quais são os efeitos secundários do tratamento farmacológico?

Os efeitos secundários mais frequentes são: menos apetite, dores de cabeça, tremor e ansiedade. De qualquer maneira, deve se discutir com o médico assistente as várias opções farmacológicas. Além do tratamento farmacológico, existem outras estratégias que têm mostrado bons resultados.

Quais são os medicamentos mais recentes?

Os medicamentos mais recentes, como a exenatida, liraglutida, gliptinas e glifozinas, ainda não estão disponíveis pela rede pública, entretanto, os outros medicamentos podem ser encontrados gratuitamente em farmácias.

A Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção – PHDA – é um distúrbio de origem multifatorial, associada a variáveis ambientais e/ou neurobiológicas. O que é a PHDA? A PHDA é uma desordem mental, caracterizada por uma tríade sintomática persistente de falta de atenção, hiperatividade e impulsividade.

Qual o melhor tratamento para a PHDA?

Postagens relacionadas: